atendimento@emotionfilmes.com

Um pouco sobre Bodas de Casamento e histórias inspiradoras.

Falaremos um pouco sobre Bodas de Casamento e histórias que valem a pena conhecer.

 

Começamos com Arisson e Lindaura Tavares. Três anos de casados! No dia 11 outubro deste ano, eles comemoraram suas Bodas de Trigo! Trigo porque o terceiro ano de matrimônio é a fase em que começam a brotar os frutos da relação. E no caso deles, são muitos frutos mesmo!  “Nós somos muito felizes, mas já passamos por muitas coisas juntos, como a perda do nosso primeiro filho no ano passado. Foi bem difícil…Mas agora estamos à espera da Camily Vitória que deve chegar em janeiro de 2018”, conta Lindaura.bodas de casamento

 

Mas para chegar até aqui eles percorreram um caminho longo e tiveram de abrir mão de muitas coisas. “Nós nos conhecemos por um amigo em comum e começamos a conversar pela internet. Em meio às brincadeiras, fomos um dia ao aniversário dela, num rodízio. Eu não tinha como comprar o presente e, como sou escritor e tinha acabado de publicar um livro, este foi meu presente para ela. Ah, e o dinheiro para pagar o rodízio veio dos livros que vendi no restaurante mesmo”, lembra Arisson.

 

O casal ainda tinha religiões diferentes. Ele era católico e ela evangélica. Para resolver o impasse, ainda na época do namoro, eles resolveram ceder e entrar numa segunda igreja evangélica. “Tínhamos muitas dúvidas, nunca imaginávamos estar casados, mas tudo foi se ajeitando durante o namoro e estamos aqui”, disse Arrison animado. Lindaura conta que nem a diferença de idade atrapalhou. Arisson tem 28 anos e ela, 33: “Ele é muito brincalhão, mas, quando a gente conhece de perto, vê que ele é muito maduro. E a gente ainda tinha um jeito muito parecido de viver a vida”.

 

O terceiro ano de casamento pode ser chamado também de Bodas de Couro, que simboliza a proteção que a convivência diária traz para o relacionamento. “Não tem receita. Eu recomendo que comece por um bom namoro, com muita conversa. Tem muitas coisas que você pode evitar enfrentar no casamento se já tiver resolvido no namoro. Se tiver problemas no namoro, não case pensando que vai resolver no casamento, porque não vai”, assevera Lindaura.

 

Mas de onde vêm essas tais bodas? Dizem alguns que começou na Alemanha medieval, porque os casais que completavam 25 e 50 anos de união ganhavam de amigos e familiares, coroas de prata e de ouro, respectivamente. Era um jeito de desejar boa sorte para que continuassem juntos por muito tempo. Depois, passou-se a se comemorar bodas todo ano. Em 1937, a Associação Americana dos Joalheiros registrou no papel, pela primeira vez, os nomes das bodas anuais por motivos comerciais. Só que, cá para nós, não é preciso ter joias para comemorar aniversário de casamento, né!?

 

A palavra boda vem do latim “votum”, que significa “minha promessa”. E o que é o casamento senão a promessa por excelência que o casal se faz, diante de Deus e dos homens, selando o compromisso de serem esposos? E é uma promessa para toda a vida!

 

Que o digam D. Isolina e Seu Severiano Vieira. No dia 10 de setembro, eles fizeram 74 anos de casados! Isso sim é para ser comemorado e em família, como de fato foi. Esse casal se conheceu em 1943, em Vila Açudina, no interior da Bahia. Namoraram à distância, como mandavam as regras sociais da época: nada de pegar na mão e beijos, nem pensar! Mesmo assim, Seu Severiano se encantou pela moça de 15 anos e pensava: “Ainda vou me casar com essa morena”.

 

Foram 9 meses de namoro e noivado e em 10/09/1943 chegou o grande dia! “Meu vestido era de seda, com florzinhas brilhantes, o véu era um sonho e a grinalda tinha pedrinhas brancas”, conta D. Isolina. Passados 74 anos, o amor entre eles continua grande: “Eu sempre imaginei ter uma esposa como ela”, diz Seu Severiano.

 

bodas de casamento

A família cresceu ao longo da vida do casal que já morou em Anápolis, Goiânia e agora vive em Brasília. São 9 filhos, 19 netos e 18 bisnetos! Ufa! E Seu Severiano já está pedindo os tataranetos!!! Os filhos se revezam para cuidar do casal ao longo da semana e se empolgam ao contar o exemplo de vida e de amor que eles dão!

 

O beijoqueiro Severiano e a brava D. Isolina! Um casal que deu certo e completou as chamadas Bodas de Macieira! Isso porque a macieira é a árvore frutífera cultivada a mais tempo pelo homem e as maçãs podem ser consumidas o ano inteiro! Frutos de amor, de alegria e de muita cumplicidade e cuidado recíprocos!

 

Se é para casar, que seja para sempre! E que a cada ano venha uma comemoração com jantares, viagens, muitas fotos e um vídeo comemorativo bem legal!!!

 

Veja abaixo o nome que se dá às bodas de cada ano de casamento:

 

01º – Bodas de Papel

02º – Bodas de Algodão

03º – Bodas de Couro ou Trigo

04º – Bodas de Flores, Frutas ou Cera

05º – Bodas de Madeira ou Ferro

06º – Bodas de Açúcar ou Perfume

07º – Bodas de Latão ou Lã

08º – Bodas de Barro ou Papoula

09º – Bodas de Cerâmica ou Vime

10º – Bodas de Estanho ou Zinco

11º – Bodas de Aço

12º – Bodas de Seda ou Ônix

13º – Bodas de Linho ou Renda

14º – Bodas de Marfim

15º – Bodas de Cristal

16º – Bodas de Safira ou Turmalina

17º – Bodas de Rosa

18º – Bodas de Turquesa

19º – Bodas de Cretone ou Água Marinha

20º – Bodas de Porcelana

21º – Bodas de Zircão

22º – Bodas de Louça

23º – Bodas de Palha

24º – Bodas de Opala

25º – Bodas de Prata

26º – Bodas de Alexandrita

27º – Bodas de Crisoprásio

28º – Bodas de Hematita

29º – Bodas de Erva

30º – Bodas de Pérola

31º – Bodas de Nácar

32º – Bodas de Pinho

33º – Bodas de Crizopala

34º – Bodas de Oliveira

35º – Bodas de Coral

36º – Bodas de Cedro

37º – Bodas de Aventurina

38º – Bodas de Carvalho

39º – Bodas de Mármore

40º – Bodas de Esmeralda

41º – Bodas de Seda

42º – Bodas de Prata dourada

43º – Bodas de Azeviche

44º – Bodas de Carbonato

45º – Bodas de Rubi

46º – Bodas de Alabastro

47º – Bodas de Jaspe

48º – Bodas de Granito

49º – Bodas de Heliotrópio

50º – Bodas de Ouro

51º – Bodas de Bronze

52º – Bodas de Argila

53º – Bodas de Antimônio

54º – Bodas de Níquel

55º – Bodas de Ametista

56º – Bodas de Malaquita

57º – Bodas de Lápis-lazúli

58º – Bodas de Vidro

59º – Bodas de Cereja

60º – Bodas de Diamante

61º – Bodas de Cobre

62º – Bodas de Telurita

63º – Bodas de Sândalo aliança com brilhante

64º – Bodas de Fabulita

65º – Bodas de Platina

66º – Bodas de Ébano

67º – Bodas de Neve

68º – Bodas de Chumbo

69º – Bodas de Mercúrio

70º – Bodas de Vinho

71º – Bodas de Zinco

72º – Bodas de Aveia

73º – Bodas de Manjerona

74º – Bodas de Macieira

75º – Bodas de Brilhante ou Alabastro

76º – Bodas de Ciprestre

77º – Bodas de Alfazema

78º – Bodas de Benjoim

79º – Bodas de Café

80º – Bodas de Nogueira ou Carvalho

81º – Bodas de Cacau

82º – Bodas de Cravo

83º – Bodas de Begônia

84º – Bodas de Crisântemo

85º – Bodas de Girassol

86º – Bodas de Hortênsia

87º – Bodas de Nogueira

88º – Bodas de Pêra

89º – Bodas de Figueira

90º – Bodas de Álamo

91º – Bodas de Pinheiro

92º – Bodas de Salgueiro

93º – Bodas de Imbuia

94º – Bodas de Palmeira

95º – Bodas de Sândalo

96º – Bodas de Oliveira

97º – Bodas de Abeto

98º – Bodas de Pinheiro

99º – Bodas de Salgueiro

100º – Bodas de Jequitibá

 

Fotos (Arisson e Lindaura Tavares): Arquivo pessoal

Fotos (D. Isolina e Seu Severiano Vieira): Karine Avelar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *